XXIII CELTA – Certame Lusitano de Tunas Académicas

Foi um prazer voltar a mais uma edição do Celta – Certame Lusitano de Tunas Académicas!
Parabéns à Azeituna – Universidade do Minho pela organização e sucesso deste festival!
Um abraço a todos os elementos das restantes tunas participantes. Esperamos que tenham sido calorosamente recebido e que tenham desfrutado de Braga. :)
Obrigado a todos os que nos apoiaram e partilharam momentos connosco durante este fim-de-semana! Bem hajam! ;)

1º de Dezembro

O 1º de Dezembro não é uma data qualquer. Não é uma simples efeméride que possamos referir em tom de curiosidade e deixar que o tempo lhe vá retirando a devida importância. É, isso sim, um momento para assinalar e celebrar a independência de um País e de um Povo.
Ao lado da Associação Académica da Universidade do Minho e dos restantes grupos culturais, a Tuna Universitária do Minho orgulha-se de, uma vez mais, celebrar uma tradição cujas origens residem no espírito dos estudantes Bracarenses que viveram o presente da Revolução. Desde a nossa fundação, procuramos divulgar e defender as tradições musicais Portuguesas. Por isso, redobramos o nosso entusiasmo por podermos entoar as nossas canções, e celebrar a Restauração da Independência!
Convocamos todos os membros da Universidade do Minho a fazerem parte desta comemoração. Que o vinho e o pica-no-chão ponham a todos bem-dispostos! Que a música e a alegria da Academia Minhota sejam o mais digno apanágio do que significa ser Português!

BILHETES À VENDA (3 euros):
– Gabinetes de Apoio ao Aluno (Gualtar e Azurém)
– Sede da Associação Académica de Braga e Guimarães
– Theatro Circo
– Bilheteira Online (BOL)
– Locais habituais

https://www.facebook.com/events/1607255079569283/

Isto não é um texto normal de rescaldo de festival

Isto não é um texto normal de rescaldo de festival.

Há 4 anos, umas miúdas lembraram-se de criar uma nova tuna feminina. Entre conselhos, apoios, discussões e futurologia, decidiram levar a sua ideia avante.
Pediram-nos ajuda, e nós demos-lhes uma mãozinha. Cedemos-lhes os nossos instrumentos e salas. Opinámos, apoiámos algumas decisões, desencorajámos outras, mas sempre cativados pela vontade, garra e espírito que demonstravam.
Pediram-nos o Tunalmente Molhado emprestado para primeira música do repertório, e nós prontamente aceitámos.
Mantivemo-las debaixo de olho, e elas foram crescendo… e crescendo. Até que já não fazia sentido deixá-las de parte. Juntamente com os restantes grupos, demos-lhes a outra mão para se juntarem definitivamente a nós na ARCUM. Estava oficialmente criada a nossa ligação. Ligação que, por entre amizades e discussões, festas e zangas, viagens e ensaios, foi-se tornando maior, mais sólida e mais afectuosa.

Isto não é um texto normal de rescaldo de festival.
Porque o que se passou neste Tunão não é mensurável em prémios, aplausos ou copos vazios. Apenas em corações cheios.
Porque é um prazer ver-vos crescer, ajudar-vos e até aprender convosco.
É gratificante ver o vosso espírito, vontade, determinação.
E é uma honra enorme que nos vejam como um exemplo.

Se nestes quatro anos vos demos as duas mãos, hoje damo-vos um abraço, Afilhadas Tun’ao Minho – Tuna Académica Feminina da Universidade do Minho :)

https://www.youtube.com/watch?v=0Uup2tKkCKY